O ex-superintendente de Limpeza Urbana de Maceió, Davi Maia, protocolou nesta quinta-feira (28), na Câmara Municipal de Maceió (CMM), uma série de documentos referentes ao período em que esteve à frente da Slum. O anúncio foi feito na sessão de hoje, a última antes do recesso, pelo vereador Eduardo Canuto, líder do governo.

“Como se tem discutido muito os requerimentos questionando a lisura e o trabalho do ex-superintendente, ele esteve aqui e protocolou a documentação”, afirmou Canuto, destacando a importância de os vereadores analisarem os documentos de forma mais conclusiva, sem se basearem apenas em “informações desconexas”.

“Denúncias eleitorais”

“Tenho todo o material que comprova que não cometi nada errado. Ao contrário, promovi uma economia de R$ 56 milhões nos contratos da superintendência… Como não devo nada a ninguém, entreguei toda a documentação, mesmo sem ter sido convocado e sem que ninguém tivesse solicitado os documentos… Fui lá sem ninguém me chamar”, relatou Davi Maia, em entrevista ao Blog.

O ex-superintendente reforçou que está à disposição para quaisquer esclarecimentos e classificou como sendo de “cunho eleitoral” as denúncias surgidas. “Estamos incomodando muita gente e todo mundo que me ataca é ligado ao governo do Estado”, acrescentou.

Os documentos foram entregues depois que o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE) e o Movimento Caras Pintadas solicitaram  à Casa a abertura de um Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar o suposto uso político da estrutura da Slum por Maia, que é pré-candidato a deputado estadual.

O assunto só deve ser retomado após o recesso do meio do ano, no começo de agosto.

A expectativa é que até lá a Câmara já tenha mudado de endereço, para o bairro Jaraguá.